O blog "A arte da Excelência" foi criado para dar continuidade às ideias do e-book de mesmo nome publicado em 18/05/2011. O download gratuito do livro "A arte da Excelência" e outros conteúdos de destaque permanente estão logo abaixo, no lado direito da página. Para ser informado das novas postagens do blog cadastre seu e-mail ou curta nossa página no Facebook. Para entrar em contatoconosco escreva para artedaexcelencia@gmail.com. Um grande abraço e viva com Excelência!

quarta-feira, 15 de agosto de 2012

Guerra de limões!

 Prezado(a),

   Interessante como a física é utilizada como modelo para a psicologia. Há uma lei da física clássica que diz: para cada ação existe uma reação de igual intensidade e em sentido contrário. Trocando em miúdos, o que nos diz é que se nós jogamos uma bola contra uma parede, a parede irá jogar a bola de volta com a mesma força.

   Há quem se utilize desta lei para justificar de forma simplista seus comportamentos reativos. Retornando ao próximo o desagrado recebido. É certo que nossas reações são reflexo de como somos tratados e vice-versa. Se tratarmos bem alguém, temos boas chances de sermos bem tratados. Observe, contudo, que digo boas chances, porque no relacionamento humano não é assim tão simples.

   Outras variáveis entram em jogo. Uma outra propriedade física aproveitada para explicar o comportamento humano é a resiliência. Trata-se da capacidade de um objeto retornar a sua forma original após sofrer uma deformação. Para o comportamento humano é entendido como a capacidade do indivíduo absorver impactos e voltar ao estado normal de equilíbrio.

   Ao absorvermos o impacto não reagimos de pronto, quebrando o ciclo de ação-reação que normalmente leva à desgraça. Por isto a resiliência é tão valorizada. No entanto, precisamos saber lidar com o peso da carga negativa que recebemos a fim de que esta não nos deixe deformados. Voltarmos à situação de equilíbrio. Caso contrário haverá em algum momento prejuízo causado pelo rompimento.

   O rompimento é outro evento físico. Este acontece quando um corpo é estressado além do limite. Por exemplo, ao puxarmos uma barra de ferro, por mais estranho que nos pareça, ela vai esticando (aumentando de comprimento e diminuindo o diâmetro). Assim vamos esticando até o ponto em que se parte em duas abruptamente, estragando o material. Se retirarmos a tensão antes do rompimento, contudo, ela volta à forma original. Na verdade, quase igual à forma original. Dependendo do material e da tensão exercida, será maior ou menor a deformação. O rompimento é chamado em inglês de “burnout” (daí o nome da "síndrome de burnout", doença causada pelo estresse) e por ter um sentido próprio em geral não é propriamente traduzido. Existe muita preocupação com a carga do estresse e a possibilidade de causar um rompimento. Pois, as conseqüências são desastrosas.

   A resiliência é muito valorizada porque é importante para se resolver problemas sem desgastar o relacionamento. Gerar resultado preservando o grupo. Muito importante para que se possa continuar resolvendo os problemas. Ser resiliente é saber pegar os limões e fazer uma limonada. Ao invés de jogá-los de volta na cabeça do outro. Quando era pequeno, a criançada costumava brincar de guerra de limões na temporada de verão. Aprendi da forma mais dolorida que limão na cabeça dói barbaridade. Nas costas também. A limonada, geladinha, era de longe mais gostosa!

   Ser resiliente é conseguir descascar o abacaxi sem se ferir nos dentes afiados da coroa. Ser resiliente exige preparo. É diferente de ficar engolindo sapos. Pois, neste último, um dia você acaba tendo uma indigestão. Ao só engolirmos sapos, acumulamos seu veneno e um dia o corpo acaba trazendo à tona os prejuízos. Muito freqüentemente na forma de alguma moléstia. Ser resiliente é conseguir lidar com as adversidades de forma positiva e trabalhá-las para se obter um bom resultado, sem se prejudicar e nem aos outros. Para ser resiliente é imprescindível, antes de mais nada, ter uma boa qualidade de vida. Cuidar-se para poder estar de bem com a vida e consigo mesmo. Estar com o tanque cheio de reservas para poder absorver os impactos, lidar com eles e retornar à situação de equilíbrio.

Abraços,

Emmanuel Gazda

2 comentários:

  1. Muito boa analise Emerson, neste mundo, o que mais se precisa no trabalho, na familia e com os proximos acredito ser a resiliencia!!! Grande abraco e otima postagem!

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pela sua postagem. Bom ver você usando a arte do conhecimento interdisciplinar para atingir a excelência. É isto aí, temos que romper a inércia, absorver os impactos que a vida nos dá, expandir conhecimentos e ao mesmo tempo compactá-los para agirmos com sabedoria nos momentos do nosso dia a dia. Parabéns também pelo teu aniversário meu amor. Que Deus esteja sempre ao teu lado... e eu também procurarei estar. Beijos, de sua esposa Luciana.

    ResponderExcluir

"A arte da Excelência" é um projeto sem fins comerciais destinado a gerar reflexão e ações concretas para a realização pessoal e profissional.